Brasil presta homenagem a Ayrton Senna, 30 anos após sua morte

Brasil presta homenagem a Ayrton Senna, 30 anos após sua morte

O piloto de Fórmula 1 Ayrton Senna antes do Grande Prêmio de San Marino, na Itália, em 1º de maio de 1994JEAN-LOUP GAUTREAU

Jean-Loup Gautreau

O Brasil lembra nesta quarta-feira(1º) o 30º aniversário da trágica morte do piloto de F1 Ayrton Senna, único esportista nacional com praticamente o mesmo prestígio e respeito que o ‘rei’ Pelé.

Tricampeão de la F1 e considerado o melhor piloto brasileiro da história, Senna morreu aos 34 anos em 1º de maio de 1994 no circuito de Imola (Itália) após perder o controle de seu Williams e bater contra um muro de concreto.

Estátuas espalhadas pelo país, avenidas com seu nome e até uma maratona realizada anualmente no aniversário de sua morte no autódromo de Interlagos, em São Paulo, onde venceu em 1991 e 1993, ajudam a manter viva sua figura.

Seus fãs também irão homenageá-lo nesta quarta-feira em seu túmulo em um cemitério de São Paulo, sua cidade natal.

Depois de passar por diversas cidades brasileiras, a exposição itinerante “Eu, Ayrton Senna da Silva” abrirá suas portas no Rio de Janeiro.

A exposição, com a voz de Senna recriada por inteligência artificial guiando o público, ajuda a entender melhor sua trajetória como piloto e sua vida pessoal.

– Parar para as corridas –

O fatal acidente foi assistido ao vivo pela televisão por milhões de pessoas.

Em frente à estátua do piloto na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, a aposentada Marilane Mattos conta que na época, todos paravam para ver as corridas na televisão, especialmente para ver Senna.

Como tantos jovens brasileiros, o empresário João Paulo Bertolini, de 30 anos, nunca viu Senna correr, mas aprendeu a admirá-lo desde criança. Ele lembra que seu pai, tio e avós falavam muito sobre o piloto.

– Resgate da autoestima –

Para o escritor e jornalista brasileiro Ernesto Rodrigues, autor da biografia “Ayrton: o Herói Revelado’, há três fatores que explicam por que Senna continua sendo um ídolo nacional.

Primeiro, por sua própria característica como piloto. Foi e continua sendo um piloto fora de série na história da F1, por sua coragem, inteligência e profissionalismo, declarou Rodrigues em entrevista à AFP.

O autor destaca como segundo fator, sua dramática morte e o fato de ter sido a primeira grande personalidade mundial que morreu ao vivo diante de milhões de pessoas que o assistiam na televisão.

Rodrigues aponta como terceiro aspecto, a época na qual o piloto morreu e lembra que o Brasil vivia uma série de problemas econômicos, crises e dramas como a morte de um presidente(Tancredo Neves). Para o escritor, Ayrton representava um resgate na autoestima dos brasileiros.

– Legado para a educação –

Além das lembranças que seus fãs guardam como piloto, a boa imagem de Senna no Brasil continua muito viva graças ao trabalho realizado pelo Instituto Ayrton Senna.

O brasileiro era conhecido por seu ativismo social e por defender a importância da educação e do combate à pobreza no país.

Seis meses após sua morte, a família fundou o Instituto Ayrton Senna, presidido por sua irmã Viviane e que em 2004 foi reconhecido com o título de Cátedra em Educação para o Desenvolvimento Humano pela Unesco, inédito para uma ONG até então.

“Ayrton sempre disse que se quiséssemos mudar alguma coisa, deveríamos começar pelas crianças, pela educação delas, e é por isso que o Instituto Senna escolheu a educação como caminho central de sua atuação”, afirma Viviane em um vídeo da instituição.

Em seus quase 30 anos, o Instituto Senna esteve presente em mais de três mil municípios brasileiros e impactou a vida de mais de 36 milhões de estudantes no país, segundo a própria instituição.

Fonte: www.canalrural.com.br
O conteúdo acima foi originalmente publicado no CanalRural e indexado ao Alta Notícias

COMPARTILHE!