Bem-vindo(a). Hoje é - Alta Floresta - MT

Capitão em reconstrução do Cruzeiro, Lucas Silva mira 8º título estadual

Nos siga no Instagram para receber as notícias em primeira mão!
Capitão em reconstrução do Cruzeiro, Lucas Silva mira 8º título estadualFoto: Reprodução

Toda reconstrução necessita de lideranças. Essa é a mensagem que Lucas Silva passou ao retornar ao Cruzeiro em 2023, ano em que o clube estava de volta à elite nacional em um cenário totalmente diferente daquele vivido pelo volante nas passagens anteriores.

Titular absoluto e capitão do time do técnico Nicolás Lacarmón, o jogador de 31 anos conseguiu conduzir a equipe à final do Campeonato Mineiro deste ano. E com moral pela melhor campanha na fase inicial, o que enche a Raposa de esperanças de desbancar o arquirrival Atlético-MG, atual tetracampeão. O eventual título teria peso especial para Lucas Silva, candidato a conquistar o oitavo estadual de sua carreira.

Goiano de Bom Jesus do Goiás, Lucas Silva chegou ao Cruzeiro aos 14 anos e viveu um verdadeiro conto de fadas no início de carreira. Brilhou na conquista dos títulos brasileiros de 2013 e 2014, chegou à seleção brasileira e foi vendido ao Real Madrid. A experiência acabou frustrada, tanto na Europa quanto em seu retorno à BH.

Mesmo que campeão da Copa do Brasil em 2017 e 2018, ele esteve presente no cenário dramático da temporada de 2019, marcada por salários atrasados, problemas políticos e, por fim, um rebaixamento no Campeonato Brasileiro. A queda também marcou a segunda saída de Lucas, rumo ao Grêmio. No sul, conquistou quatro títulos gaúchos entre 2020 e 2023, e seu retorno ao Cruzeiro coincidiu com a volta do time à elite. Calejado pelos altos e baixos da carreira, assumiu protagonismo na reconstrução do clube.

“Estou um pouco mais velho, né… (risos). A gente amadurece, claro, ganha experiência, mas a vontade de ganhar foi sempre a mesma. A possibilidade de conquistar títulos é tudo que o atleta quer, pois é o principal objetivo das temporadas. Fico feliz de poder viver novamente essa experiência com o Cruzeiro”, contou, em entrevista à PLACAR.

O volante tem uma vasta coleção de troféus. Ao todo, são dois Campeonatos Brasileiros, duas Copas do Brasil, três Recopas Gaúchas e sete estaduais (três Mineiros e quatro Gaúchos). O retrospecto vitorioso e o caráter de “cria da casa” fizeram com que a reconexão com a torcida celeste fosse imediata.

“Os títulos são sempre importantes, independentemente do momento. Pude ganhar nas minhas duas passagens e vim na terceira para seguir construindo a minha história com conquistas. É um momento diferente, de reconstrução, então poder voltar a disputar finais também faz parte desse processo atual do clube”, frisou o ídolo cruzeirense, que ganhou a faixa de capitão do técnico Lacarmón.

Dentro de campo, o desempenho justifica a confiança. Segundo dados do Sofascore, Lucas recuperou em média 6,2 bolas por jogo neste Campeonato Mineiro. Além disso, mantém 90% de acerto nos passes que tentou e foi advertido com apenas um cartão amarelo nas nove partidas que atuou.

Ainda que o Cruzeiro tenha levado a melhor nas duas últimas partidas contra o Atlético Mineiro, em plena Arena MRV, o líder celeste preferiu manter cautela. O clássico que marca a decisão do estadual começa a ser disputado no dia 30 de março, na casa do Galo, com decisiva dia 7, no Mineirão.

“A rivalidade realmente é grande, mas são essas situações que alimentam o futebol e criam expectativa para grandes partidas. Quem chegasse à final seria por méritos e por ter qualidade, então serão jogos equilibrados, difíceis, mas vamos seguir trabalhando e nos preparando para chegar bem e poder buscar o nosso objetivo”, analisou o camisa 16.

Fonte: www.canalrural.com.br
O conteúdo acima foi originalmente publicado no CanalRural e indexado ao Alta Notícias

COMPARTILHE!
WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE