Bem-vindo(a). Hoje é - Alta Floresta - MT

Surto da doença da urina preta gera alerta no Amazonas

Nos siga no Instagram para receber as notícias em primeira mão!

(FOLHAPRESS) – As autoridades sanitárias do Amazonas estão em alerta devido ao aumento de número de casos suspeitos da doença de Haff, conhecida pelo sintoma da urina preta. De acordo com o governo do estado, foram 86 notificações, desde janeiro. Destas, 20 ocorreram apenas em setembro.

Do total de casos registrados, 49 foram confirmados, 24 descartados e 13 continuam em investigação. Segundo a Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM), não há óbitos relacionados à doença.

A enfermidade é uma rabdomiólise, um tipo de síndrome que gera a destruição de fibras que compõem os músculos do corpo. Quando associada ao consumo de pescados, a síndrome é denominada doença de Haff.

O município de Itacoatiara, a 176 km de Manaus, concentra 36 casos, sendo o centro do surto do estado. Moradores de outros quatro municípios, incluindo a capital, também foram diagnosticados com a doença.

Segundo o boletim epidemiológico da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM), “os casos compatíveis correspondem a pessoas residentes em Manaus (7), Manacapuru (3), Parintins (2) e Nova Olinda do Norte (1)”. O informe passou a ser divulgado às segundas-feiras no site da Fundação.

Ainda de acordo com a FVS-AM, equipes compostas de integrantes de diversos órgãos, montaram uma força-tarefa para rastrear casos suspeitos nos municípios. Além disso, informou que “toda a rede de saúde, incluindo unidades privadas e públicas, da capital e interior, está orientada para realizar atendimento de casos suspeitos de rabdomiólise”.

Conhecida desde a década de 1920, a enfermidade está relacionada a uma toxina que é encontrada em peixes e crustáceos. Até o momento, os cientistas não identificaram qual é a substância tóxica por trás da enfermidade.

O infectologista André Siqueira, pesquisador do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI/Fiocruz), explica que essa toxina presente nos pescados provoca as lesões nos músculos e pode até danificar seriamente os rins.

O especialista afirma, no entanto, que a rabdomiólise pode ter outras causas como traumatismos, atividades físicas excessivas, infecções, consumo de álcool e outras drogas.

De acordo com o infectologista, não há um tratamento específico para a doença, mas é possível controlar os sintomas. Os sinais mais frequentes, entre os casos confirmados, são dor muscular, mal-estar, náuseas, fraqueza, dor abdominal, vômito e urina escura.

O primeiro relato de um surto de doença de Haff no Brasil ocorreu em 2008, no estado do Amazonas, e foi associado à ingestão de pacu. O momento de maior gravidade aconteceu em 2017, quando a Bahia contabilizou 71 pacientes com a doença, 66 deles na capital Salvador. Desde então, outros casos suspeitos ou confirmados da doença foram relatados também nos estados do Ceará, Alagoas, Pernambuco e Goiás.
Siqueira afirma que os casos são raros, mas tendem a surgir em períodos de estiagem nessas regiões. “É um fenômeno que acontece raramente, mas a gente observa que ocorre principalmente durante as secas mais severas, provocando alteração no ambiente onde os peixes habitam.”

Leia Também: Ministro diz que não há necessidade do horário de verão

Fonte: https://www.noticiasaominuto.com.br/rss/mundo

Artigo extraído do site Notícias Ao Minuto

COMPARTILHE!
WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE