Bem-vindo(a). Hoje é - Alta Floresta - MT

Ciclone no Sul e frente fria provocaram temporal com rajadas de vento de até 100 km/h em SP

Ciclone no Sul e frente fria provocaram temporal com rajadas de vento de até 100 km/h em SP
Nos siga no Instagram para receber as notícias em primeira mão!

ANA BOTTALLO
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – As fortes chuvas com rajadas de vento de 100 km/h que atingiram São Paulo na última sexta (3) foram provocadas, em parte, por um ciclone extratropical que vinha se formando no continente, no Sul do país, e que no sábado (4) já seguia em direção ao oceano Atlântico.

Segundo o Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia), a massa de ar frio se encontrou com outra, de ar mais quente, provocando a tempestade. Em todo o estado, 3,7 milhões ficaram sem energia elétrica por causa do temporal.

Embora tempestades sejam comuns na região Sudeste nesta época do ano, as fortes rajadas de vento são menos frequentes, afirma Deise Moraes, meteorologista do Inmet.

“Havia um aviso de alerta para um sistema frontal [encontro de massas], que se formou por causa de uma frente fria na região Sul e também por causa do ciclone extratropical, que se afastou para o oceano e deixou a ventania no continente. Por isso, atingiu o estado de São Paulo”, disse Moraes.
Segundo a meteorologista, a massa de ar quente estacionada sobre São Paulo na sexta-feira aumentou a instabilidade do sistema, intensificando o vento e provocando chuva com trovoadas.

A instabilidade mencionada por Moraes se deve ao choque entre a massa de ar frio, que estava em passagem pelo Sul, e o ar quente acumulado dos últimos dias.

“É como se você adicionasse ar mais quente dos dias anteriores em cima da massa de ar frio que se aproximava juntamente com a formação de uma baixa pressão no sistema frontal, que já estava previsto, provocando chuva intensa”, diz.
Mesma explicação faz o técnico de meteorologia Adilson Nazário, do CGE (Centro de Gerenciamento de Emergências) da Prefeitura de São Paulo.

“O complicador maior foram as rajadas de vento excessivas, pois o acumulado de chuva foi baixo, algo em torno de 12 mm. O problema mesmo foi a velocidade dos ventos, acima de 77 km/h, chegando a 94 km/h na região norte de São Paulo [Tucuruvi] e a 104 km/h na região do aeroporto [de Congonhas]”, afirma o técnico.

O ciclone, acrescenta Nazário, teve pouca influência na instabilidade vista em São Paulo na sexta.
“Ele se formou mais ou menos na mesma hora [que começou a tempestade]. O que houve foi próprio da área de baixa pressão, que chamamos de área de instabilidade, porque o ciclone não avançou para dentro do continente, ele está se afastando. E como havia um acumulado de ar quente, chegando a 31ºC, foi como adicionar gasolina em uma fogueira em chamas”, disse.

PREVISÃO DO TEMPO
Ainda segundo Nazário, do CGE, não há previsão de chuva para este domingo (5) na cidade de São Paulo.

O dia deve ter predomínio de sol, com mínima de 13ºC e máxima chegando a 23ºC nas primeiras horas da tarde.
Também não há previsão de chuva na segunda (6), quando a temperatura deve ficar entre 12ºC e 23 ºC.

Leia Também: ‘Queremos voltar para Gaza e morrer com nossa família’, diz casal de palestinos no Brasil

Fonte: https://www.noticiasaominuto.com.br/rss/mundo

Artigo extraído do site Notícias Ao Minuto

COMPARTILHE!
WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE